O DIA EM QUE O AMERICA DE RECIFE HUMILHOU O NÁUTICO



História do America-PE História do Nautico + Fut-Pernambuco + ESPECIAIS


A vitória do América sobre o Náutico por 10x1, no dia 28 de abril de 1918,no campo da Ponte d’Uchoa, local de todos os jogos do certame daquele ano,constituiu-se na primeira grande goleada do futebol pernambucano.

Esta partida assinalou a estréia oficial pelo América dos jogadores Alecsi Nuyens e Francisco Bermudes, que pertenciam ao Palmeiras de São Paulo. Eram os dois mais novos sócios do América, como diziam os jornais, mas que na verdade não passavam de profissionais disfarçados.

Alecsi Nuyens, que a imprensa escrevia “Alexi”, era um vigoroso zagueiro central e fora contratado pelo clube alviverde,quando da sua vinda ao Recife em 1917, jogando pelo Palmeiras, a exemplo de Francisco Bermudes, que era centromédio.

Pelo seu físico avantajado, a imprensa local terminou apelidando Bermudes de ”Maxambomba”, em alusão aos trens da “Brazilian Street Railway” um dos meios de transportes da nossa capital nos primeiros anos deste século.

Os dois novos “sócios” do América, pela larga experiência e uma técnica mais apurada, foram os sustentáculos do clube esmeraldino em todo o campeonato. 0 investimento valeu a pena, pois o América acabou ganhando o certame de 1918, seu primeiro título de futebol.

O “Jornal Pequeno” (29.4.1918) contou desta maneira a marcha do placar:

“Os alviverdes estão senhores da situação, e o Náutico pouco a pouco vai cedendo as suas posições até que Monteath, a uns trinta metros de distância faz às 4,8 o 1.° gol dos americanos.

Diversas faltas de ambas as partes são punidas; numa delas, Barbosa Lima chuta, Alexi com um belo heading defende magistralmente a iminência daquele gol, fazendo dirigir-se a bola para Sigismundo, que, passando para a extrema, consegue driblar a Barbosa Lima e fazer às 4,16 o 2.° gol do América.

O alvirrubro a mais e mais vai se entregando. Sigismundo consegue tomar a pelota de Grevy e passá-la a Karl que, atrapalhado por Barbosa Lima, a entrega a Soares.

Este estando maL colocado, passa a Monteath que, por estar em impedimento, é punido com um tiro livre.

Mas o domínio do América era um fato. Logo depois Zé Tasso, às 4,21 faz o 3.° gol do seu clube.

Também Karl, aproveita o desânimo da linha náutica, e faz o 4.° gol.

As 4,30, Soares, o único até então da linha que não fizera gol, completa o 5.° ponto de uma bela passagem de Zé Tasso. E com esse escore termina o 1.° tempo. Na segunda fase do jogo nota-se na fisionomia dos jogadores alvirrubros o cansaço, o desânimo,o esgotamento. O América extraordinariamente mais forte que o seu antagonista ataca rigorosamente o Náutico, conseguindo dentro de 5 minutos três gols: um feito por Sigismundo às 4,59, outro por Zé Tasso, às 5,1 outro às 5,4 por Monteath. Nesse ínterim há uma falta contra o América; batida, Alexi defende com a testa, porém a pelota cai perto dos pés de Ivan, que às 5,8 faz o único ponto para seu clube.

Mas o América não queria empatar com o Sport (21), queria mais, e assim conseguiu ainda dois gols, um feito por Soares, às 5,12 e o último às 5,18 por Zé Tasso”.


A partida foi dirigida por Alcindo Wanderley (Pitota), tendo as equipes jogado da seguinte maneira:

América - Lopes; Ayres Alexi; Rômulo, Bermudes e Robison; Karl, Sigismundo, Zé Tasso, Monteath e Soares.

Náutico - Nelson; Barbosa Lima e Guilherme; Oliveira, Bibi e Grevy; Amarrão, Amarinho, Manoel Lopes, Ivan e Nadu.


Pesquisas de Sidney Barbosa da SilvaSidney Barbosa da Silva
Fontes consultadas: Memória do Futebol Pernambucano e Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br.
Página adicionada em 03 de abril de 2011.

 

Shopping Campeões do Futebol

Ir ao Topo