AceOdds últimos códigos promocionais de apostas

São Cristóvão campeão carioca de 1937
Gazeta de Notícias, 25.06.1937, p. 11.

Em 21.12.2023, a Assembleia Geral da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), por unanimidade, reconheceu o título do São Cristóvão pela Federação Metropolitana de Desportos (FMD), conquistado em 1937.

É que, naquele distante ano, ocorreu a reconciliação dos clubes – selada pelo Clássico da Paz (Vasco 3x2 America, em 31.07.1937) –, que deu origem à Liga de Futebol do Rio de Janeiro (LFRJ), fruto da fusão da FMD com a Liga Carioca de Futebol (LCF). Com isso, as competições em andamento de ambas as entidades foram interrompidas para início do campeonato da LFRJ.

Quanto à LCF, seu campeonato estadual de 1937 ainda não tinha começado, pois seria disputado no 2º semestre. A competição da LCF que foi interrompida em 1937 foi o Torneio Aberto, que reunia times profissionais com amadores e, portanto, não valia o título estadual.

O problema é que, na FMD, estava em andamento seu campeonato estadual. Havia terminado o 1º turno e o São Cristóvão liderava com 7 vitórias em 7 jogos, seguido pelo Madureira, com 5 vitórias, 1 empate e 1 derrota. (Na realidade, ainda faltavam dois jogos do Vasco, contra Olaria e Botafogo, mas nem um desses três times tinha condição matemática de alcançar o líder isolado.) Apesar de os jogos e o campeonato não terem sido anulados, a FERJ demorou a reconhecer o título do São Cristóvão.

Antes tarde do que nunca. E a história do futebol brasileiro teve precedentes. P.ex., a edição de 1966 do Torneio Rio – São Paulo. Naquela oportunidade, quatro clubes terminaram empatados em primeiro lugar mas não disputaram o quadrangular final. Resultado: apesar de o torneio não ter chegado ao fim, eles foram oficialmente declarados vencedores: Botafogo, Santos, Vasco e Corinthians – aqui, na ordem decrescente de saldo de gols. (Aliás, ainda falta oficializar o título de Flamengo e Fluminense no Rio – São Paulo de 1940, por motivo semelhante.)

Aliás, a própria FERJ tem um precedente próprio. Trata-se do campeonato de 1907, que não se concluiu e, em 1996, a FERJ proclamou Fluminense e Botafogo campeões.

Nesse sentido, foi justo homologar o título do São Cristóvão de 1937 pela FMD, que a imprensa já estampava na época. Inicialmente, como campeão do 1º turno, às vezes chamado de 1º torneio – pois a final do campeonato seria disputada entre os campeões do 1º e do 2º turno/torneio. É o que se vê no Jornal dos Sports:

“Com o feito sobre o Madureira, os alvos conservam o título de invictos e, ainda mais: mantiveram a ‘leaderança’ da tabela, agora absolutos e a dois passos da conquista do título do primeiro torneio” (14.06.1937, p. 1, sobre a vitória de 2x1, no dia anterior).
“O onze da camisa alva já pode se considerar campeão do turno” (26.06.1937, p. 4).
“Os alvos, porém, não querem perder a oportunidade de conseguir o honroso título de campeão mantendo também o título de invicto que alcançaram após derrotar todos os seus anteriores antagonistas” (30.06.1937, p. 1).
“O S. Christovão campeão invicto do 1º Torneio” (01.07.1937, p. 4).
“O S. Christovão já conquistou brilhantemente o título de campeão do primeiro turno da Federação Metropolitana” (06.07.1937, p. 2).
“O resultado desse prélio nada influirá quanto ao primeiro posto, isto porque o São Christovão já se sagrou campeão do primeiro turno, aliás brilhantemente invicto” (11.07.1937, p. 3, sobre a partida Carioca 0x3 Botafogo, nessa data).
“O club de Figueira de Mello, depois de levantar o título de campeão do turno do campeonato da FMD, seguiu para o Peru e outros países andinos, voltando recentemente” (03.10.1937, p. 6).
“A queda do campeão invicto, na extinta Metropolitana, surpreendeu de início” (13.10.1937, p. 1, sobre a derrota de 2x0 para o Bonsucesso, no dia anterior).

Mas o fato é que a própria FMD, em seus últimos atos, já o tinha oficialmente reconhecido como campeão de 1937, como se vê no Jornal dos Sports de 04.09.1937, p. 6:

Noticia do São Cristóvão campeão carioca da FMD de 1937

A Revista do Esporte nº 297, de 14.11.1964, também atribuiu esse título ao São Cristóvão, embora com um erro tipográfico – “1936” em vez de 1937.

E Carlos Molinari, pesquisador do Bangu, comentou em seu livro “Nós é que somos banguenses”:

“Brigas antecederam a disputa do Campeonato Carioca de 1937. Na verdade, dois campeonatos foram realizados. O primeiro, promovido pela Federação Metropolitana de Desportos, disputado nos meses de maio e junho, em turno único entre os oito filiados. (...) O campeão deste certame foi o São Cristóvão, que com isso conquistava o seu segundo título carioca da história.”

Para mais detalhes sobre a campanha do campeão, ver o livro “O campeão esquecido”, de Raymundo Quadros e Auriel de Almeida.

A propósito, há outros títulos pendentes de reconhecimento pela FERJ, como os do: Bangu (de 1907, pela Taça João Ferrer), Bonsucesso (de 1919, pela Liga Suburbana de Football) e Engenho de Dentro (de 1925, pela Liga Metropolitana de Desportos Terrestres).

Enquanto a FERJ não decide, a torcida cadete tem muito a comemorar o ano de 2023, em que seu clube voltou a jogar em Figueira de Mello, conquistou a Taça Waldir Amaral da Série C, o título da Série B2 profissional, o da Série C sub-17 e teve homologado seu título de 1937.

Veja também: Tabela do Campeonato Carioca de 1937 da FMD.

Pesquisa de Laércio Becker, de Curitiba-PR. Fontes: descritas no artigo. Página adicionada em 07 Janeiro 2024 - atualizada em 04 Fevereiro 2024.