O Coritiba foi fundado em 1909 com o nome de Corytibano, como era a grafia na época para designar quem nascia em Corytiba, nome adotado pelo clube em 1910. Em 1912 a cidade atualizou a grafia de seu nome para Curytiba, mas o clube preferiu continuar com o nome antigo, com o y do nome do clube e da cidade só sendo alterado em 1915, mas o clube de futebol mantendo a sua grafia com a letra o na primeira sílaba.

Esse confronto reúne dois clubes campeões brasileiros, clubes que se confrontam desde 1949 e que travaram importantes partidas em mata-mata de Campeonato Brasileiro que depois redundaria em título de campeão para o Fluminense no ano de 1984, sendo sucedido justamente pelo Coritiba, campeão brasileiro de 1985, o primeiro clube a conquistar o Campeonato Brasileiro quebrando a hegemonia de agremiações de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais que perdurava desde 1960.

Os dois clubes também travaram uma tensa e histórica partida contra o rebaixamento no ano de 2009, ano no qual o Coritiba celebrava o seu centenário, que tivera como convidado de honra no mês de janeiro o próprio Fluminense, para aumentar ainda mais os contornos de dramaticidade dessa partida.

Na primeira partida, 11 gols, vitória do Fluminense por 8 a 3 no Estádio Durival Britto e Silva em 1949, maior goleada do confronto, que no quesito diferença de gols seria igualada na vitória tricolor pelo Campeonato Brasileiro de 1984.

Contra o Coritiba Foot Ball Club, as quartas de finais do Campeonato Brasileiro de 1984 marcaram o encontro do time que seria campeão daquele ano, o Fluminense, com o campeão brasileiro do ano seguinte, o Coritiba, com o Tricolor se classificando para as semifinais com uma vitória por 5 a 0 no Maracanã tomado por 60.385 pagantes, fora os torcedores que tinham direito às gratuidades. No empate por 2 a 2 no jogo anterior, o time e a torcida do Fluminense saíram do estádio recebendo pedradas lançadas pela torcida adversária.



Duílio Dias Júnior, zagueiro do Fluminense na vitoriosa campanha de 1984, cria do Coritiba, é filho do maior goleador da História do clube paranaense, o ídolo coxa branca Duílio Dias, com 202 gols marcados em sua exitosa carreira.

Coritiba e Fluminense fizeram a decisão do Torneio Mauricio Fruet em 1985, disputado em Curitiba, após eliminarem Atlético-PR e Colorado-PR respectivamente, tendo o Coritiba vencido por 1 a 0.

Em 2009 Fluminense e Coritiba decidiram no Estádio Couto Pereira com 32.631 torcedores uma vaga na primeira divisão, com o Flu mantendo-se e rebaixando o Coxa após o empate por 1 a 1, tendo havido atos de violência por parte da torcida local após o encerramento da partida, dentro do estádio e pelas ruas de Curitiba. Em 17 de janeiro deste mesmo ano e também no Couto Pereira, os dois clubes haviam feito uma partida amistosa comemorativa ao centenário do Coritiba, com vitória tricolor por 1 a 0.

Em 2015, 28.041 torcedores para Fluminense 2 a 0 Coritiba, fora os muitos milhares que voltaram para casa por falta de estacionamento (entre outras coisas porque o estacionamento da UERJ estava fechado) ou sem ingresso pelas filas imensas, por que houve falha na organização do evento.

Ficha Técnica do primeiro jogo:

CORITIBA 3–8 FLUMINENSE.
Data: 29/03/1949.
Motivo: Amistoso interestadual.
Local: Estádio Durival Britto (Curitiba, PR).
Árbitro: Aristocílio Rocha (Federação Metropolitana de Futebol).
Renda: Cr$ 32.195,00.
Público: 2.093 pagantes.
Gols: Rodrigues, 4'/1ºT, Sanford, 7'/1ºT, Santo Cristo, 11'/1ºT, Merlin, 14'/1ºT, Cézar Frizzo, 23'/1ºT, Rodrigues, 34' e 41' do 1º T, Silas, 16'/2ºT, Rodrigues, 23'/2ºT, Sila, 31'/2ºT e Índio, 36'/2ºT.
CFC: Hamílton (Nivaldo); Fedato e Renê (Vidal); Tonico, Ribeiro e Sanford; Baby, Merlin, Cézar Frizzo (Lanzoninho), Toni (Gouveia) e Renatinho.
FFC: Mariano; Píndaro e Hélvio; Índio, Pé de Valsa e Ismael; Cento e Nove, Emílio (Maneco), Silas, Santo Cristo e Rodrigues. Técnico: Ondino Viera.

Retrospecto.

23 jogos foram realizados no Estádio Couto Pereira e 15 no Maracanã, estádios que abrigaram a maioria dos 46 jogos até o final do Campeonato Brasileiro de 2020, 24 deles com o mando do Coxa, com 16 vitórias do Fluminense, 14 empates e 16 vitórias do Coritiba, 69 gols a favor do Flu e 61 a favor do Coxa.

Exceto 3 amistosos, incluído o válido pelo Torneio Mauricio Fruet, todos os demais jogos foram pelo Campeonato Brasileiro, com a primeira partida por essa competição tendo sido realizada em 1969, empate por 1 a 1 em Curitiba.

Artilheiros.

Os maiores artilheiros pelo Fluminense são Rodrigues e Fred, com quatro gols cada um, possivelmente os maiores artilheiros do confronto.

Maiores públicos.

* * Aonde não constam os públicos pagantes e presentes, a referência é aos pagantes, acima de 20.000 presentes. A partida de 2001 encontra públicos diferentes em alguns lugares, por conta da promoção Nestlé, que a SUDERJ não considerava em seus borderôs.

1- Fluminense 5–0 Coritiba, 60.385, 6 de maio de 1984, Maracanã, C. Brasileiro.
2- Fluminense 1–1 Coritiba, 34.397, 21 de setembro de 2013, Maracanã, C. Brasileiro (28.550 pagantes).
3- Fluminense 2–1 Coritiba, 33.975, 25 de outubro de 2012, Engenhão, C. Brasileiro (29.994 pagantes).
4- Coritiba 1–1 Fluminense, 32.631, 6 de dezembro de 2009, Couto Pereira, C. Brasileiro (30.493 pagantes).
5- Coritiba 2–2 Fluminense, 30.139, 29 de abril de 1984, Couto Pereira, C. Brasileiro (27.061 pagantes).
6- Fluminense 1–1 Coritiba, 28.511, 9 de agosto de 2014, Maracanã, C. Brasileiro (24.768 pagantes).
7- Fluminense 2–0 Coritiba, 28.041, 4 de junho de 2015, Maracanã, C. Brasileiro (23.004 pagantes).
8- Fluminense 3–1 Coritiba, 21.226, 23 de setembro de 2001, Maracanã, C. Brasileiro (16.047 pagantes).
9- Coritiba 0–0 Fluminense, 20.000, 18 de setembro de 2005, Couto Pereira, C. Brasileiro (18.771 pagantes).

- Provavelmente tinham mais de 20.000 presentes:
10- Coritiba 2–0 Fluminense, 19.510, 1 de novembro de 1972, Belfort Duarte (Couto Pereira), C. Brasileiro.
11- Coritiba 1–0 Fluminense, 18.755, 14 de outubro de 1973, Belfort Duarte (Couto Pereira), C. Brasileiro.


Fonte texto / imagens utilizadas: Arquivo de Alexandre BerwangerAlexandre Magno Barreto Berwanger em seu perfil no Facebook.
Página adicionada em 07/Fevereiro/2021.