O Brusque é o campeão da Série D do Campeonato Brasileiro. Time do Vale do Itajaí faturou a taça na cobrança de pênaltis. Levou a melhor sobre o Manaus FC-AM, por 6 a 5, após o empate em 2 a 2 no tempo normal, na Arena da Amazônia, na capital manauara.

O time do Vale ficou atrás no placar durante boa parte dom jogo, mas conseguiu o empate, aos 36 do segundo tempo, com gol de Thiago Alagoano. No primeiro jogo da final, as duas equipes empataram em 2 a 2.

Além de Brusque e Manaus-AM, outros dois clubes garantiram vaga na Série C do Brasileiro em 2020: Ituano-SP e Jacuipense-BA.

Recorde Quebrado
A Arena da Amazônia tem um novo recorde de público. Os 44.896 torcedores que compareceram para a final da Série D deste domingo superaram o público de Flamengo e Vasco, pela semifinal do Campeonato Carioca de 2016, quando contou com 44.419 presentes.

Primeira mulher a apitar uma final de Brasileiro
A final da Série D deste domingo entre Manaus e Brusque teve um feito inédito no futebol nacional. Pela primeira vez na história, uma árbitra apitou uma decisão de Campeonato Brasileiro - incluindo qualquer divisão. A protagonista foi paranaense da Federação Paulista Edina Alves Batista, de 39 anos, que é árbitra desde 2007. Categoria FIFA, ela estreou no apito na Série A somente neste ano, em 2019, mas já acumula duas partidas na elite: Atlético-MG 2 x 2 Fortaleza e CSA 1 x 0 Goiás.

O jogo

O termômetro marcava pouco mais de 30 °C em Manaus quando a árbitra Edina Alves Batista apitou e autorizou o pontapé inicial na Arena da Amazônia. O duelo entre Manaus FC e Brusque também começou muito quente. Apesar das quase 45 mil pessoas empurrando o time da casa, o Brusque não se abateu e faturou o título histórico para o clube.

No primeiro ataque do Brusque, os visitantes abriram o placar. Com menos de dois minutos, a bola foi levantada na área em cobrança de falta, a zaga do Manaus não cortou e sobrou para o atacante Júnior Pirambu. O camisa 9 do Brusque mostrou mais uma vez o instinto de artilheiro e, de calcanhar, mandou a bola para o fundo das redes, abrindo o placar: 1 a 0 para o Brusque. Foi o 10º gol marcado por Pirambu, artilheiro isolado da competição.

Empurrados pela torcida, os donos partiram ao ataque e logo chegaram à igualdade. Aos sete minutos, em cobrança de falta, Panda levantou bola na área, Derlan escorou de cabeça e Sávio mandou a bola para o gol, empatando o jogo em 1 a 1.

O jogo seguiu com ritmo frenético. Aos 13, os donos da casa voltaram a marcar. Diogo Dolem aproveitou o rebote do chute de Evair, mas a arbitragem anulou o gol, indicando irregularidade no lance.



As duas equipes passaram a se alternar nas idas ao ataque, arrancando suspiros dos torcedores presentes nas arquibancadas da Arena. Aos 30, a arbitragem paralisou a partida para que os jogadores pudessem se hidratar, por conta do calor. Aos 32, a bola voltou a rolar, e os dois times mantiveram a alternância nas jogadas ofensivas, mantendo a igualidade no placar até o intervalo.

Na volta dos vestiários, o Brusque voltou na pressão. Logo no minuto inicial, em uma cobrança de falta o time do Vale do Itajaí teve uma boa oportunidade. A bola foi alçada na área, mas a zaga do Manaus cortou. No contra-ataque, Jefferson Renan fez falta sobre Diogo Dolen e tomou o cartão amarelo.

Mas foram os donos da casa quem voltaram a vibrar primeiro na etapa final. Aos 14, após cobrança de escanteio, Mateus Oliveira meteu a cabeça na bola e fez a festa da torcida manauara, mexendo no placar: 2 a 1 para o Manaus FC-AM.

Atrás do placar, o time catarinense foi para cima, em busca do empate, tentando forçar a disputa dos pênaltis. Os donos da casa, por sua vez, não deixavam de atacar e seguiam criando oportunidades de ampliar o placar.

Quando o jogo parecia já ter o destino traçado, aos 36 minutos, no bate a rebate dentro da área, Thiago Alagoano pega a sobra de fora da área e marcou o segundo do Brusque. Jogando um ar de incerteza pra cima do Manaus e encaminhou a partida para os pênaltis.

A árbitra Edina Alves Batista deixou que a partida se estendesse até os 50 minutos. Já nas cobranças de pênaltis, todas as cobranças foram convertidas na sequência alternada. Apenas Marcio Passos chutou pra fora. Em seguida, o goleiro Zé Carlos cobrou, converteu e colocou o Brusque no hall de catarinense campeões brasileiros, somado a Joinville, Criciúma e Avaí.

Como foi a sequência das cobranças de pênalti:

Manaus FC-AM: Darlan acertou, Charles acertou, Martony acertou, Thiago Spice acertou, Mateus Oliveira acertou e Márcio Passos errou.

Brusque: Thiago Alagoano acertou, Airton acertou, Thiago Henrique acertou, Gama acertou, Vinícius acertou e Zé Carlos acertou.

Ficha técnica: MANAUS 2 x 2 BRUSQUE
Local: Arena da Amazônia, em Manaus (AM), 18/Agosto/2019.
Público: 44.896 pessoas, sendo 36.215 pagantes - Renda: R$ 1.192.010,00.
Arbitragem: Edina Alves Batista (SP), auxiliada por Alex Ang Ribeiro(SP) e Daniel Paulo Ziolli (SP).
Cartão Amarelo: Sávio e Panda (M); Jefferson Renan, Airton e Magrão (B).
Gols: Júnior Pirambu (B) aos 2 do 1º tempo; Sávio (M) aos 7 do 1º tempo; Mateus Oliveira (M) aos 14 do 2º tempo, e Thiago Alagoano (B) aos 36 do 2º tempo.

MANAUS FC-AM: Jonathan; Igor, Thiago Spice, Martony e Sávio (Vitinho); Derlan, Panda e Diogo Dolem (Charles); Evair (Marcio), Vandinho e Mateus Oliveira. Técnico: Welington Fajardo.

BRUSQUE: Zé Carlos; Edilson, Magrão, Cleyton e Airton; Ruan, Fio (Leilson), Thiago Alagoano e Gama; Jefferson Renan (Thiago Henrique) e Júnior Pirambu. Técnico: Waguinho Dias.


Por Sidney Barbosa da Silva.
Página adicionada em 18/Agosto/2019.

 

Livros Digitais Campeões do Futebol