A anulação dos 11 jogos

Após a descoberta do escândalo de arbitragem conhecido da máfia do apito, 11 jogos do Campeonato Brasileiro-2005 apitados por Edilson Pereira de Carvalho foram anulados.

O ex-árbitro chegou a ser preso após confessar participar de um esquema de manipulação de resultados do torneio para favorecer apostadores na internet.

A decisão de anular as partidas foi tomada pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), que na época era presidido por Luiz Zveiter - ele oficializou a saída do cargo no final de 2005.

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) determinou, então, novas datas para a repetição dos jogos.

O Corinthians, que acabaria se tornando o campeão, teve dois jogos anulados - havia perdido para São Paulo (3 a 2) e Santos (4 a 2). Na repetição, empatou com o São Paulo (1 a 1) e ganhou do Santos (3 a 2).

As equipes que brigavam pelo título com o Corinthians reclamaram bastante da decisão de Zveiter. No final, o Corinthians terminou com o título, com 81 pontos, contra 78 do Internacional.

A cronologia do escãndalo (publicado pelo Portal Terra)

23/09/2005 - Sexta-feira
A revista Veja publica matéria de capa denunciando um esquema de compra de juízes para a "fabricação" de resultados, com o objetivo de favorecer apostadores de loterias clandestinas, realizadas pela Internet. Estão sob suspeita jogos do Campeonato Brasileiro, Copa Libertadores da América, Copa Sul-Americana e Campeonato Paulista de futebol, todos da edição 2005.

O esquema de manipulação funcionaria da seguinte forma: o empresário Nagib Fayad, juntamente com outros três empresários ligados ao ramo dos bingos, combinava um determinado resultado em jogos apitados por Edílson Pereira de Carvalho e, em seguida, realizava apostas milionárias em dois sites de apostas eletrônicas. Esse tipo de jogo é proibido no Brasil e acontecia de forma clandestina. Estima-se que o lucro da quadrilha supere R$ 1 milhão no período. O nome dos demais empresários é mantido sob sigilo pela Polícia Federal. O juiz receberia entre R$ 10 mil e R$ 15 mil por jogo pelo "serviço".

24/09/2005 - Sábado
O árbitro da Fifa Edílson Pereira de Carvalho e o empresário Nagib Fayad são presos durante a madrugada, acusados de manipulação de resultados de partidas de futebol. Edílson apitou 25 partidas neste ano, sendo 11 delas do Campeonato Brasileiro.

O árbitro José Paulo Danelon, que apita jogos da Série B do Campeonato Brasileiro, também está sendo investigado e poderá ter a sua prisão preventiva decretada a qualquer momento. De acordo com as investigações, ele seria o responsável pela apresentação de Carvalho ao empresário do ramo de jogos.

Ainda na madrugada de sábado, quando tomou conhecimento das denúncias, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou nota informando sobre o afastamento dos dois árbitros do seu quadro de arbitragem.

A CBF também se encarregará de comunicar a Fifa do caso, pedindo o afastamento do juiz do quadro de arbitragens da entidade internacional.

O promotor José Reinaldo Carneiro de Bastos, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo) não informou quais seriam os jogos que tiveram influência da arbitragem. "A Polícia Federal tem certeza que, ao menos, sete jogos tiveram resultados manipulados. Mas não queremos revelar isso por enquanto", disse.

25/09/2005 - Domingo
O presidente da comissão de arbitragem da CBF, Luiz Zveiter, disse que as partidas dirigidas pelos dois árbitros poderão ser canceladas. Segundo ele, os casos seriam analisados individualmente. Zveiter garantiu que o Campeonato Brasileiro não será paralisado de forma nenhuma, mas não descartou a anulação de jogos.

26/09/2005 - Segunda-feira
O juiz Edilson Pereira de Carvalho, pivô do escândalo de esquema de manipulação de resultados do futebol brasileiro, disse no depoimento à Polícia Federal que há mais árbitros suspeitos de envolvimento. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

A Caixa Econômica Federal informou que manterá os resultados dos jogos - para efeito de premiação - apitados pelo árbitro Edílson Pereira de Carvalho neste Campeonato Brasileiro, mesmo que as partidas sejam anuladas pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

O advogado Cássio Paoletti afirmou que o cliente Nagib Fayad foi procurado pelos árbitros Edilson Pereira de Carvalho e José Paulo Danelon para participar do esquema que fraudava partidas dos Campeonatos Brasileiro e Paulista e da Copa Libertadores.

O presidente do STJD, Luiz Zveiter, admitiu que algumas partidas apitadas pelo juiz Edilson Pereira de Carvalho podem ser anuladas. No entanto, o tribunal deverá concluir quais partidas serão disputadas novamente apenas em duas semanas.

27/09/2005 - Terça-feira
Após se sentir prejudicado por Edilson Pereira de Carvalho na Copa Libertadores, a diretoria do Alianza Lima, do Peru, pretende processar o árbitro, de acordo com o jornal Folha de S.Paulo.

O Clube dos 13, entidade que reúne 20 dos principais times do país, pretende evitar uma virada de mesa após o escândalo da arbitragem.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Luiz Zveiter, muda de opinião ao afirmar na Superintendência da Polícia Federal, que todos os 11 jogos arbitrados por Edilson Pereira de Carvalho serão analisados.

A Anaf (Associação Nacional dos Árbitros de Futebol) divulgou nota de repúdio ao escândalo da arbitragem no futebol e mostrar que está disposta a revitalizar a imagem da classe perante o público.

Apesar do escândalo, o site betfair.com disponibiliza jogos de clubes brasileiros pela Copa Sul-Americana e pela Série A para apostadores.

28/09/2005 - Quarta-feira
O árbitro Paulo José Danelon, suspeito de manipular resultados de jogos, presta depoimento na sede da Superintendência da Polícia Federal.

Promotor Roberto Porto, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado), do Ministério Público, afirma não ter dúvidas de que o árbitro Paulo José Danelon, assim como Edilson Pereira de Carvalho, está envolvido no escândalo da arbitragem.

Rebaixado para a Série C em 2006, o Vitória tenta aproveitar a confusão do escândalo da arbitragem e já cogita uma virada de mesa para se manter na segunda divisão.

Em depoimento à Superintendência da Polícia Federal, o árbitro Paulo José Danelon confirma participação em manipulação de algumas partidas do Campeonato Paulista.

Partidos governistas brecam a instauração de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Assembléia Legislativa de São Paulo.

O apostador Nagib Fayad é liberado da Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo, após ficar cinco dias preso.

Em seguida, o árbitro Edilson Pereira de Carvalho, acusado de manipular 11 jogos do Campeonato Brasileiro, é solto, mas acaba sendo agredido por um torcedor do Corinthians, que se identificou como Eliseu.

29/09/2005 - Quinta-feira
O presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Luiz Zveiter, promete acelerar as investigações sobre os 11 jogos apitados pelo árbitro Edilson Pereira de Carvalho.

A Federação Paulista de Futebol (FPF) cria uma corregedoria para investigar a atuação de seus árbitros.

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, pode anunciar, nesta sexta-feira, se algum dos onze jogos -ou mesmo todos- do Campeonato Brasileiro apitados por Edílson Pereira de Carvalho serão anulados ou não. A quadrilha acusada de fraudar os resultados de partidas de futebol para beneficiar apostadores em sites ilegais de jogos teria movimentado pelo menos R$ 3 milhões somente em 2005.

Câmara dos Deputados pensa em criar uma nova CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), que terá como alvo as denúncias de manipulação de resultados de futebol para beneficiar apostadores que se utilizam de sites ilegais de apostas.

30/09/2005 - Sexta-feira
Juiz Edilson Pereira de Carvalho, através de seu amigo Daniel de Oliveira, avisa que vai cobrar R$ 15 mil para conceder, com exclusividade, a primeira entrevista após sua prisão.

O empresário Wanderlei Pololi, acusado de ser o responsável pela intermediação entre árbitros e empresários no esquema de corrupção, é preso pela manhã e levado algemado para a sede da Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo.

Luiz Zveiter, presidente do STJD, diz que a anulação dos 11 jogos apitados pelo juiz Edilson Pereira de Carvelho pode acontecer mesmo sem a verificação das fitas dos jogos, já que apenas os dados levantados pela comissão de auditores do tribunal devem ser suficientes para que a decisão seja tomada.

Armando Marques, presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, deixa o comando da organização com o escândalo da arbitragem. Em seu lugar, assume o vice-presidente Edson Resende, também ex-árbitro e ex-delegado da Polícia Federal.

Ricardo Teixeira, presidente da CBF, exime a entidade de responsabilidade e deixa a decisão sobre a anulação dos 11 jogos comandados por Edilson Pereira de Carvalho na mão do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

01/10/2005 - Sábado
O presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Luiz Zveiter, marca para domingo, às 11h (de Brasília), na sua residência, uma entrevista para anunciar a decisão sobre os 11 jogos apitados pelo juiz Edilson Pereira de Carvalho.

02/10/2005 - Domingo
O presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Luiz Zveiter, anuncia a anulação dos 11 jogos apitados pelo árbitro Edilson Pereira de Carvalho no Campeonato Brasileiro.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) escolheu datas para a repetição de oito dos 11 jogos anulados pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) após a descoberta do esquema de manipulação de resultados.

A primeira rodada será no dia 12/10, quarta-feira, às 16h (de Brasília): Vasco x Figueirense, Cruzeiro x Botafogo, Santos x Corinthians e Juventude x Fluminense.

Já a segunda rodada será disputada no dia 19/10, também quarta-feira, mas às 20h30: Vasco x Botafogo, Juventude x Figueirense, Paysandu x Cruzeiro e Ponte Preta x São Paulo.

Os jogos restantes (São Paulo x Corinthians, Fluminense x Brasiliense e Internacional x Coritiba) serão programados em função do andamento da Copa Sul-Americana.

03/10/2005 - Segunda-feira
Os clubes que não concordaram com a decisão do STJD de anular as 11 partidas arbitradas por Edilson Pereira de Carvalho, entre eles Internacional e Figueirense, podem entrar com um recurso para provar que a influência não teve o desfecho que o árbitro queria.

04/10/2005 - Terça-feira
A Fifa, entidade máxima do futebol mundial, não pretende interferir na decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que anulou 11 jogos do Campeonato Brasileiro apitados por Edilson Pereira de Carvalho, envolvido em esquema de manipulação de resultados. Em comunicado oficial, a entidade afirma estar "acompanhando cada informação sobre o caso", mas que não irá se envolver em acontecimentos e investigações, pois crê se tratar "essencialmente de um caso para ser resolvido no próprio País".

Internacional, Cruzeiro, Santos, Ponte Preta e Figueirense decidem entrar com recurso no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) na tentativa de reverter a anulação dos 11 jogos do Campeonato Brasileiro apitados por Edilson Pereira de Carvalho. O grupo defende a tese de que cada partida deve ser analisada separadamente.

O presidente do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), Luiz Zveiter, diz que recusa a ação conjunta que Internacional, Cruzeiro, Ponte Preta, Figueirense e Santos devem apresentar ao órgão.

05/10/2005 - Quarta-feira
O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, será convocado para prestar esclarecimentos sobre os escândalos de corrupção no futebol brasileiro. A comissão de turismo e desporto da Câmara Federal aprovou requerimentos do deputado federal Sílvio Torres (PSDB/SP) para convocação dos envolvidos no escândalo.

Lateral-esquerdo da Seleção Brasileira Roberto Carlos diz que o árbitro Edilson Pereira de Carvalho, pivô do escândalo de manipulação de resultados que forçou a anulação de 11 partidas do Campeonato Brasileiro, merece uma segunda chance.

06/10/2005 - Quinta-feira
CBF anuncia que vai arcar com todas as despesas necessárias para que as equipes entrem em campo e disputem os 11 jogos cancelados do Campeonato Brasileiro. Entidade deverá desembolsar mais de R$ 500 mil.

STJD recusa o recurso dos clubes que se sentiram prejudicados pela anulação dos 11 jogos apitados pelo árbitro Edilson Pereira de Carvalho. Internacional, Santos, Cruzeiro, Ponte Preta e Figueirense contestavam a anulação dos jogos, já que o presidente do STJD, Luiz Zveiter, admitiu que não há certeza de manipulação em todos eles.

07/10/2005 - Sexta-feira
CBF remarca os três jogos que faltavam, dos 11 que haviam sido anulados pelo STJD. As partidas São Paulo x Corinthians e Fluminense x Brasiliense ocorrerão no dia 24 de outubro, às 20h30. O primeiro será no estádio do Morumbi, em São Paulo, e o segundo no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. O outro jogo é Internacional x Coritiba, que será realizado no dia 28 de outubro, no Beira-Rio, às 20h30.

09/10/2005 - Domingo
Edilson Pereira de Carvalho afirma que Armando Marques, ex-chefe da Comissão de Arbitragem da CBF, o pressionou para ajudar o Flamengo em um jogo contra o Juventude, em Caxias do Sul, pela Copa do Brasil de 2001.

10/10/2005 - Segunda-feira
O vice-presidente da FPF (Federação Paulista de Futebol), Reinaldo Carneiro Bastos, acusado pelo árbitro Edílson Pereira de Carvalho de pressioná-lo para manipular resultados de partidas, pede para se afastar da entidade.

Na entrevista concedida por Edilson Pereira de Carvalho na tarde de segunda-feira, na sua casa, num condomínio de Jacareí, interior de São Paulo, o ex-árbitro volta a "atirar para todos os lados". Seus principais alvos foram Armando Marques, ex-presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, e, Reinaldo Carneiro Bastos, vice-presidente da Federação Paulista de Futebol.

Vanderlei Pololi, o terceiro preso suspeito de integrar a máfia do apito, deixa a prisão na Polícia Federal em São Paulo na segunda-feira, quando acabou o período da segunda prisão temporária.

O ex-árbitro Edson Rezende de Oliveira, que estava exercendo interinamente o cargo de presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, é efetivado no cargo.

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF/RJ) instaura procedimento administrativo para investigar a anulação pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) dos 11 jogos apitados pelo árbitro Edílson Pereira de Carvalho no Brasileiro.

11/10/2005 - Terça-feira
As principais torcidas organizadas do futebol paulista decidem entrar com Ação na Justiça comum contra a decisão do Superior Tribunal de Justiça Deportiva (SJTD) de anular 11 jogos do Campeonato Brasileiro. Os duelos são suspeitos de manipulação por parte do árbitro Edílson Pereira de Carvalho.

12/10/2005 - Quarta-feira
Três novas partidas das 11 anuladas são disputadas novamente. Vasco 3 x 3 Figueirense, Juventude 3 x 4 Fluminense e Cruzeiro 2 x 2 Botafogo. Prejudicado por um erro de arbitragem, o Vasco afirma que pedirá a anulação do jogo.

13/10/2005 - Quinta-feira
A nova partida entre Santos e Corinthians é realizada na Vila Belmiro. O jogo termina em confusão após o árbitro Cléber Wellington Abade flagrar um empurrão do santista Zé Elias no corintiano Nilmar e marcar pênalti, convertido por Carlos Alberto, que decretou a vitória do Corinthians por 3 a 2. Torcedores inconformados invadem o gramado, tentam agredir o árbitro e hostilizam equipes de jornalismo presentes.

14/10/2005 - Sexta -feira
O presidente do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Luiz Zveiter, pede licença de seu cargo por 15 dias . O desembargador Nelson Tomaz Braga assumiu o posto interinamente e decreta a interdição da Vila Belmiro.

15/10/2005 - Sábado
O presidente licenciado do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Luiz Zveiter, promete voltar ao cargo em uma semana e afirma não ter decidido sozinho pela anulação das 11 partidas. "A decisão foi tomada em conjunto e foram ouvidos os promotores do Ministério Público, José Reinaldo Carneiro e Roberto Porto, que tomaram os depoimentos do ex-árbitro Edílson Pereira de Carvalho e do empresário Nagib Fayad, o Gibão, pivôs do Escândalo do Apito", afirmou.

17/10/2005 - Segunda-feira
No dia do julgamento de Edilson Pereira de Carvalho, Zveiter reassume o cargo no STJD, mas não comanda a sessão.

Por unanimidade, o árbitro é considerado culpado e incurso nos artigos 242 e 275 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): "dar ou prometer vantagem indevida influenciando em resultado" e "agir de forma atentatória à dignidade do desporto".

O árbitro Paulo José Danelon, também acusado de manipular resultados, é ouvido pela comissão montada pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) da Federação Paulista de Futebol. O juiz admite que recebeu dinheiro em três oportunidades com a promessa de interferir em resultados de jogos do Campeonato Paulista, mas nega ter cumprido seu objetivo.

18/10/2005 - Terça-feira
Liminar impetrada pelo Ministério Público Federal, pedindo a suspensão da decisão do STJD de anular as 11 partidas, foi negada pelo juiz federal Alfredo França Neto, da 30ª Vara Federal do Rio de Janeiro.

19/10/2005 - Quarta-feira
Empresário Nagib Fayad, acusado de ser um dos mentores do esquema de manipulação de resultados no Campeonato Brasileiro, afirmou, em depoimento na CPI dos Bingos, em Brasília, que a partida entre Botafogo e Juventude, no dia 11 de junho, pode ter sido "contaminada" pelo paranaense Heber Roberto Lopes. O árbitro negou qualquer envolvimento.

20/10/2005 - Quinta-feira
Apesar dos problemas do Campeonato Brasileiro deste ano, a CBF anunciou nesta quinta-feira a realização de uma festa no dia 5 de dezembro para premiar os melhores árbitros e jogadores da competição.

21/10/2005 - Sexta-feira
Depois de verificar o relatório da comissão de inquérito que analisou as 22 partidas apitadas por Edilson Pereira de Carvalho e Paulo José Danelon no Campeonato Paulista de 2005, o procurador geral do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paulista de Futebol, Antonio Carlos Meccia, admitiu que dois jogos - Guarani 1 x 1 Atlético Sorocaba e Portuguesa Santisa 0 x 1 União São João - estão contaminados, e devem sofrer anulação.

25/10/2005 - Terça-feira
Naief Saad Neto, presidente do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD), cutuca o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) acerca de sua decisão sobre a anulação das partidas do Brasileiro apitadas por Edílson Pereira de Carvalho, envolvido na manipulação de resultados.

27/10/2005 - Quinta-feira
O presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Marco Polo Del Nero, admite a hipótese de indenizar os clubes de futebol que tiverem sido lesados por Edilson Pereira de Carvalho e Paulo José Danelon no Campeonato Paulista deste ano. Para tanto, o dinheiro sairia dos processos movidos contra os dois ex-árbitros.

28/10/2005 - Sexta-feira
Inter bate Coritiba por 3 a 2, no último dos jogos remarcados. O Corinthians foi quem mais lucrou no Campeonato Brasileiro paralelo criado pelo STJD, em decorrência da anulação das partidas arbitradas por Edilson Pereira de Carvalho. Franco atirador na "Copa Edilson", o time alvinegro conquistou quatro dos seis pontos que disputou (repetiu dois jogos em que havia sido derrotado) e ampliou sua vantagem na ponta da tabela de quatro para oito pontos.


Página anterior  ANTERIOR ( 1987 (2) PARTE 4) INÍCIO - HISTÓRIA SÉRIE A PRÓXIMA ( CAMPEÕES ) Próxima página

Fontes: Portal de Esportes do Terra.com.br e Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br
Pesquisas de Sidney Barbosa da Silva - Página adicionada em maio de 2009.

 

Livros Digitais Campeões do Futebol

Ir ao Topo