As origens da Federação Italiana
A FIGC foi formada em Turim, em 26 de março de 1898, como FIF (Federação Italiana de Futebol, que permaneceu em atividade até 1909), por iniciativa de um Comitê criado em 15 de março, que elegeu como dirigente máximo da nova associação o engenheiro Mario Vicary, no final do trabalho de uma espécie de Constituinte presidida pelo Conde D'Ovidio.

Pouco mais de dois meses depois, em 8 de maio de 1898, a primeira edição do Campeonato Italiano de Futebol foi organizada no Velódromo Umberto I, em Turim, com quatro equipes participantes: FC Torinese, Genoa, Ginnastica Torino, Internazionale Torino; Genoa se impôs no Torneio, eventualmente conquistando o que viria para a história como o primeiro scudetto.

Nesta ocasião, o clube de Gênova ganhou a taça oferecida pelo Duque de Abruzzi Luigi Amedeo de Savoy-Aosta, definitivamente concedida após o 3º scudetto de 1900, um troféu recentemente encontrado e hoje em exibição no Museu da História de Gênova.

Nos anos seguintes, o futebol rapidamente conseguiu proselitismo por toda a Itália, coagulando em torno dele os fermentos e iniciativas que já haviam infectado as grandes cidades, de Gênova a Roma, de Turim a Palermo, de Milão a Nápoles.

A seleção fez sua estreia em 15 de maio de 1910, na Arena di Milano (foto abaixo - ano de 1906), com uma camisa branca (Itália 6 x 2 França); no ano seguinte, contra a Hungria, a camisa azul fez sua primeira aparição,em homenagem à cor da Casa de Saboia.
Arena di Milano em 1906
Após a paralisação da grande guerra, na qual o futebol italiano também pagou uma dura pena em batalha, e enquanto o país volta aos trilhos, o futebol explode, favorecido pelo desejo de redenção e renascimento no qual o esporte desempenha um papel essencial. Em 1913, o primeiro campeonato em escala nacional, articulado nos agrupamentos norte e centro-sul vencidos por Pro Vercelli. 1922 foi o ano da primeira Copa Italia (vencida por Vado). No anos seguinte a divisão da Confederação Italiana de Futebol (C.C.I.) imediatamente se fundiu à Federação Italiana.

A década de 1930 consagrou a equipe nacional comandada por Vittorio Pozzo, que ganhou dois títulos mundiais (1934-1938) e a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 1936.

Pós-guerra
O futebol está entre os fatores que ajudam a Itália a sair dos escombros de uma nova guerra: estes são os anos do Grande Torino (vencedor de 5 campeonatos seguidos) e a tragédia da Superga (1949), destinada a afetar a seleção nacional, eliminada na primeira fase da Copa do Mundo de 1950 e 1954 e não classificada para a edição de 1958.

Após estes resultados catastróficos ao futebol, o Comissário Bruno Zauli lança a renovação da FIGC (1959): nascem as três Ligas (Profissionais, semiprofissinais, amadores), o Setor Técnico e o Setor da Juventude e Escola. O futebol italiano está de volta como grande competidor: primeiro graças aos sucessos de seus clubes, em especial Inter e Milan na Liga dos Campeões da Europa, depois graças aos da seleção nacional liderada por Valcareggi, que em 1968 se tornou campeão europeu no torneio disputado em casa, e em 1970, o quase sucesso na Copa do Mundo no México, vencido na final pelo Brasil, após a vitória na partida do século contra a Alemanha, que terminou em 4 a 3 na prorrogação. Os sucessos também saem do campo: o presidente da Figc, Artemio Franchi, torna-se presidente da UEFA (1973) e vice-presidente da FIFA (1974).

A década de 1970/1990
Depois de um infeliz epílogo na Copa do Mundo de 1978 (4º lugar) e do escândalo da "calcioscommesse", o futebol italiano volta a ser exultante graças ao Azzurri de Enzo Bearzot, que conquistou o terceiro título mundial na Espanha (1982).

O futebol italiano entra na década de 1990 com entusiasmo: a Juventus se impõe nas principais competições internacionais, enquanto na Itália acontece a edição de 1990 da Copa do Mundo; Os Azzurri de Azeglio Vicini são derrotados nas semifinais nos pênaltis pela Argentina e fecham em 3º lugar, enquanto o "Museu do Futebol" nasceu em Coverciano, e o presidente da Figc, Antonio Matarrese, tornou-se vice-presidente da UEFA e depois da FIFA.

Os anos de sucesso do MILAN começam, e Arrigo Sacchi, criador desses triunfos, é convocado para liderar a seleção nacional em 1991, que na Copa do Mundo dos EUA de 94 é derrotada na final nos pênaltis pelo Brasil.

Na década de 1990, o futebol italiano também viveu um período de profundas transformações: o nascimento da TV paga (1991) e a questão dos direitos televisivos; a reforma das competições internacionais de clubes (1992), os efeitos do acórdão Bosman (1995), o decreto lei (1999) que estabelece a representação de componentes técnicos nos conselhos federais.

Em dezembro de 1998, a Figc celebrou seu centenário no Olimpico : no campo jogaram azzurri e FIFA All Stars, com vitória da seleção italiana por 6 a 2.

Distintivos da Federação Italiana de Futebol
Primeiros escudos da Federação Italiana
O primeiro brasão de armas do qual se tem noticia era uma reminiscência da bandeira da Família Real de Saboia, com escudo vermelho e cruz branca em um fundo azul. O mesmo azul escolhido pelo então presidente da FIGC Felice Radice como a cor das camisas da seleção nacional, quase um ano após a primeira aparição com a camisa branca em Milão contra a França (1910). Durante os vinte anos fascistas, foi adicionado ao brasão de armas savoy a coroa e a viga littorio. Com este logotipo nas camisas, os Azzurri ganharam dois títulos mundiais (1934 e 1938) e um ouro olímpico (1936) sob a orientação de Vittorio Pozzo.

Terceiro e quarto escudos da Federação Italiana No pós-guerra, ofutebol está entre os fatores que ajudaram a Itália a sair dos escombros da guerra e o tricolor substituiu o brasão de armas do Savoy no logotipo federal e no peito das camisas azuis.

Em 1952, no topo do brasão de armas, uma caixa com as palavras "Itália" em ouro foi adicionada para representar ainda mais a identidade com todo o país.

Escudos da Federação Italiana de Futebol em 1974 Em 1974, ocorreu outra reestilagem do logotipo: um estrondo que contém dentro do tricolor, uma bola amarela e o nome dispostos em círculo; em alguns casos, o rombo vivia dentro de uma praça em cujos cantos havia as letras da sigla.


Escudos da Federação Italiana de Futebol em 1982 Em 1982, para o Campeonato Mundial na Espanha, houve uma pequena mudança no scudetto: a adição da sigla FIGC, escrita verticalmente, no branco do tricolor. Em 1984, uma nova marca redonda substituiu o tradicional scudetto; dentro há as três estrelas douradas em um campo azul, as inscrições "Italia" e "FIGC" junto com o tricolor em uma posição diagonal.

Escudo da Federação Italiana de Futebol em 1992 Em 1992, a Federação lançou uma competição para uma nova marca: ganhou a proposta de Patrizia Pattacini, com uma espécie de letra estilizada "i" com o ponto azul no canto superior esquerdo; na parte superior havia as três estrelas em um campo azul, no centro em um campo branco o nome completo da Federação e na parte inferior do tricolor, um elemento não mais predominante desde o abandono do escudo savoy.

Escudo da Federação Italiana de Futebol em 2000 Em 2000, o scudetto tricolor, introduzido nos anos 50, retornou um pouco diferente, o qual são permanentemente adicionadas as três estrelas da Copa do Mundo conquistadas na parte superior, onde a inscrição "Itália" era geralmente colocada e sem a sigla. Na verdade, o brasão de armas com as três estrelas, indicando os três campeonatos mundiais conquistados, já apareceu no primeiro amistoso após a Copa do Mundo da Espanha, Itália-Suíça, em 27 de outubro de 1982. No entanto, essa escolha não foi continuidada, porque não houvia autorização da FIFA para reivindicar conquistas mundiais em escudos até meados da década de 1990.

Escudo da Federação Italiana de Futebol em 2006 Em 2006 a marca mudou novamente, para lembrar o escudo original, embora revisado à luz da evolução do design: uma forma mais quadrada com o tricolor em um fundo azul, um sinal circular do FIGC colocado no branco e as três estrelas.

Em 2007,após conquistar o quarto título mundial na Alemanha, o brasão federal passou por uma reestilagem necessária: a adição da quarta estrela e o sinal circular da inscrição figc com dimensões maiores para se destacar no centro do tricolor.

Escudo da Federação Italiana de Futebol em 2007
Após 10 anos, em outubro de 2017, o novo logotipo da Federação Italiana é apresentada e está em vigor.


Pesquisas realizadas por Sidney Barbosa da Silva.
Fontes: www.figc.it; e Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br.
Página adicionada em 31/Maio/2021.