Shopping Campeões do Futebol

CLUBES CAMPEÕES EM MAIS DE UM ESTADO


Clubes Centenários BR Pioneirismos no Fut-Brasileiro    + ESPECIAIS

       

Há 4 modos básicos de um mesmo clube ser campeão em dois Estados diferentes:
- desmembramento, incorporação e fusão de Estados
- alteração dos limites do Estado
- alteração da sede do clube para outro Estado
- opção do clube por participar do campeonato do outro Estado

Desmembramento, incorporação e fusão de Estados

Acre

O Acre foi incorporado ao território brasileiro pelo Tratado de Petrópolis, assinado em 17.11.1903 pelo Barão do Rio Branco e Assis Brasil.

O Decreto 1.181, de 25.02.1904, autorizou o Presidente da República a administrar provisoriamente o território. O Decreto 5.188, de 07.04.1904, organizou o território do Acre, que ficou dividido em 3 departamentos, administrados por 3 prefeitos subordinados diretamente ao Presidente da República. Ou seja, o Acre não existia como unidade político-administrativa, mas apenas esses 3 departamentos, que eram os seguintes:
1) Alto Acre, compreendendo a região regada pelo Alto Acre, pelo Alquiri e seus afluentes;
2) Alto Purús, compreendendo a região regada pelo Iaco, pelo Alto Purús e seus afluentes, como o Chandless;
3) Alto Juruá, abrangendo as terras regadas pelo rio Tarauacá e seus afluentes e pelo Alto Juruá e todos os seus afluentes, como o Moa e o Juruá-Mirim.

O Decreto 14.383, de 01.10.1920, reorganizou a administração da região, reunindo os 3 departamentos no chamado Território do Acre, capital Rio Branco, governado por um só governador, nomeado pelo Presidente da República.

A carência de dados sobre os primórdios do futebol acreano impede uma análise mais precisa. Mas o que se sabe é que o Rio Branco FC foi fundado em 08.06.1919 e o América FC em 09.08.1919. Ou seja, pelo menos esses dois clubes foram fundados no departamento do Alto Acre, unidade político-administrativa distinta do Território do Acre. São indícios fortes de que o futebol era praticado no Alto Acre. Só que não há notícia de disputa de campeonato nesse período. O primeiro campeonato da Liga Acreana de Esportes Terrestres (Laet) de que se tem notícia é o de 1921, quando já se tinha o Território do Acre. Se houvesse um campeonato antes da reunião dos departamentos e se o campeão fosse o Rio Branco ou o América, ele seria campeão por duas unidades político-administrativas distintas, já que foram campeões do Acre unificado.

O art. 9º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) da Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 18.09.1946, previa que o Território do Acre seria elevado à categoria de Estado “logo que as suas rendas se tornem iguais às do Estado atualmente de menor arrecadação”. Depois, a Lei 4.070, de 15.06.1962, elevou o Território do Acre à categoria de Estado.

Considerando os campeões anteriores e posteriores a 1962, temos que Rio Branco FC, Atlético Acreano e Independência FC foram campeões do Território e também do Estado do Acre.

Amapá

O Território Federal do Amapá foi criado em 01.10.1943, pelo Decreto-lei 5.812, de 13.09.1943, por desmembramento do Estado do Pará. Logo em seguida, em 1944, foram fundados o Amapá Clube e o Macapá EC, bem como foi disputado o primeiro campeonato amapaense. Como uma competição dessas não surge do nada como um passe de mágica, supõe-se, então, que o futebol já era jogado naquele território antes do desmembramento. Mas, com certeza, nenhum clube local eventualmente pré-existente no local foi campeão paraense, pois os campeões paraenses eram todos de Belém: Sociedade Atlética União Esportiva, Clube do Remo, Paysandu Sport Club e Tuna Luso.

A partir de 01.01.1991, no lugar do Território foi instalado o Estado do Amapá, pelo art. 14 do ADCT da Constituição da República Federativa do Brasil, de 05.10.1988. No mesmo ano, coincidentemente, foi implantado o profissionalismo. Com isso, temos que Macapá, Ypiranga, São José e Independente foram campões do Território e também do Estado do Amapá.

Distrito Federal

A mudança da capital brasileira do Rio de Janeiro para o Planalto Central era uma promessa das Constituições brasileiras de 1891, 1934 e 1946. Até que o Presidente Juscelino Kubitschek resolveu colocar o velho projeto constitucional em prática e construiu Brasília. Pela Lei 3.752, de 14.04.1960, ficou definido que, na data em que se efetivasse a mudança da capital, a nova cidade assumiria a condição de Distrito Federal. Isso aconteceu em 21.04.1960, quando Brasília foi fundada.

Só que, antes mesmo de o local virar Distrito Federal, ou seja, quando ainda era território goiano, o futebol já estava instalado. Já havia uma Federação Metropolitana de Futebol, fundada em 16.03.1959, e alguns clubes, como o CR Guará, fundado em 09.01.1957, e o Grêmio Esportivo Brasiliense, fundado em 06.03.1959.

E até ocorreu o primeiro campeonato, em 1959, vencido pelo Grêmio Esportivo Brasiliense. Ou seja, foi campeão distrital em território goiano, porque antes mesmo de o Distrito Federal estar instalado lá. Como voltou a ser campeão distrital em 1970, pode-se dizer que, a rigor, foi campeão em território goiano (mas não do campeonato goiano, é claro) e depois em território distrital também.

Como veremos mais adiante, antes de o Distrito Federal se mudar para Brasília, ele ficava na cidade do Rio de Janeiro. Ou seja, em termos estritamente formais e não geográficos, os campeões cariocas até então também eram, a seu modo, “campeões distritais”.

Fernando de Noronha

O Território Federal de Fernando de Noronha foi criado pelo Decreto-lei 4.102, de 09.02.1942, e reincorporado ao Estado de Pernambuco pelo art. 15 do ADCT da Constituição da República Federativa do Brasil, de 05.10.1988. Infelizmente, não há notícias de disputa de campeonatos durante esse período. Da chamada Copa Noronha só há notícias a partir de 2003.

Guanabara

Durante o Império, a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro era o Município Neutro da Corte, enquanto Niterói era a capital da Província do Rio de Janeiro. Com o art. 2º da Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 24.02.1891, as Províncias se transformaram em Estados e o Município Neutro virou Distrito Federal. Como o primeiro campeonato estadual no Brasil só ocorreu em 1902, em São Paulo, evidentemente não temos nenhum campeão provincial.

Pela Lei 3.752, de 14.04.1960, na data em que se efetivasse a mudança da capital para o Planalto Central, o então Distrito Federal se transformaria em Estado da Guanabara. Foi o que aconteceu em 21.04.1960, com a fundação de Brasília.

A partir de 15.03.1975, os Estados da Guanabara e do Rio de Janeiro foram fundidos no atual Estado do Rio de Janeiro, conforme art. 8º da Lei Complementar 20, de 01.07.1974.

Com isso, temos que os campeões cariocas de 1906 a 1959 foram campeões do Distrito Federal. A rigor, os campões cariocas de 1960 a 1974 deveriam ser campões do Estado da Guanabara e os campões de 1975 em diante deveriam ser campeões do Estado do Rio de Janeiro. Mas não foi bem assim, porque, apesar de contar com alguns clubes do interior, o campeonato carioca continuou separado do fluminense até 1978, inclusive (último campeão fluminense: Goytacaz). A fusão da Federação Carioca de Futebol com a Federação Fluminense de Futebol (ex-Federação Fluminense de Desportos) finalmente ocorreu em 29.09.1978, dando origem à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ).

De qualquer modo, do ponto de vista estritamente formal, pode-se dizer que Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo foram campeões de três Estados diferentes: Distrito Federal, Guanabara e Rio de Janeiro. Já America e Bangu, de dois: Distrito Federal e Guanabara. A questão é que o campeonato tem sido praticamente o mesmo. Apesar da mudança do Distrito Federal para Brasília e da fusão dos Estados, continua sendo, por tradição, o “campeonato carioca” e não “fluminense”, que seria, em tese, o gentílico mais adequado.

Importante observar que, até hoje, nenhum time de fora da cidade do Rio de Janeiro foi campeão “carioca”, nem antes nem depois da fusão. O clube que chegou mais perto disso foi o Americano FC, de Campos, vice-campeão de 2002. Como, antes da fusão, já tinha sido campeão pela Federação Fluminense de Desportos, se ele tivesse vencido o Fluminense FC nas finais de 2002, teria entrado para o seletíssimo rol de clubes campeões em mais de um Estado.

Iguaçu

O Território Federal do Iguaçu foi criado em 01.10.1943, pelo Decreto-lei 5.812, de 13.09.1943, por desmembramento dos Estados do Paraná e de Santa Catarina. Pouco depois, foi extinto pelo art. 8º do ADCT da Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 18.09.1946.

Pelo que pude apurar, na região já tinham sido fundados e estavam em plena atividade, pelo menos, o ABC Football Club (desde 12.09.1915) e o Guairacá EC (desde 17.01.1945; depois, mediante fusão com outros dois clubes, deu origem ao atual Grêmio Esportivo Social Foz do Iguaçu, o Gresfi), ambos em Foz do Iguaçu. No entanto, parece que a primeira Liga da região de Foz foi a Liga Regional Futebol Cataratas, fundada em 1969 e substituída em 1975 pela Liga Iguaçuense de Futebol. Ou seja, tudo indica que o futebol já era praticado na região, mas não organizado em torneios, de sorte que soa pouco provável a realização de um campeonato de futebol do Território Federal do Iguaçu.

Mato Grosso do Sul

O Estado do Mato Grosso do Sul foi criado, por desmembramento do Estado do Mato Grosso, pela Lei Complementar 31, de 11.10.1977, e foi instalado em 01.01.1979, com a posse do primeiro governador. Neste mesmo ano de 1979, já foi disputado o primeiro campeonato estadual organizado pela Federação de Futebol do Mato Grosso do Sul, fundada em 03.12.1978.

Esse desmembramento produziu os dois únicos clubes – até o momento – que foram campeões em dois Estados distintos. Ambos são da capital, Campo Grande. Um deles é o EC Comercial, campeão matogrossense de 1975 e sul-matogrossense de 1982, 1985, 1987 etc. Outro é o Operário FC, campeão matogrossense em 1974, 1976 a 1978, e sul-matogrossense de 1979 a 1981, 1983, 1986, 1988, 1989 etc. Observar que o Operário foi tricampeão no Mato Grosso (1976 a 1978) e, em seguida, tricampeão no Mato Grosso do Sul também (1979 a 1981), de modo que é um, digamos... hexacampeão sui generis.

Ponta Porã

O Território Federal de Ponta Porã foi criado em 01.10.1943, pelo Decreto-lei 5.812, de 13.09.1943, por desmembramento do Estado do Mato Grosso. Pouco depois, foi extinto pelo art. 8º do ADCT da Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 18.09.1946.

A Federação Matogrossense foi fundada em 26.05.1942 e o primeiro campeonato matogrossense foi disputado no ano seguinte. Segundo Reginaldo Alves de Araújo, pesquisador do futebol sul-matogrossense, autor de “Futebol Sul-Matogrossense”, com três volumes já publicados e o quarto no prelo, realmente não existiu um campeonato de futebol do Território. No entanto, segundo o primeiro volume de sua valiosa obra, há menção a um Internacional FC, da cidade de Ponta Porã, que foi “campeão da fronteira” em 1931. Ou seja, o futebol era praticado, havia torneios locais, mas tudo indica que não houve um campeonato do Território.

Rondônia

O Território Federal do Guaporé foi criado em 01.10.1943, pelo Decreto-lei 5.812, de 13.09.1943, por desmembramento dos Estados do Amazonas e do Mato Grosso. Poucos meses antes, em 10.07.1943, foi fundado o Ferroviário AC, quando Porto Velho ainda era território amazonense. Logo em seguida, em 29.10.1944, foi fundada a Federação de Desportos do Guaporé (atual Federação de Futebol do Estado de Rondônia) e, em 1945, foi disputado o primeiro campeonato.

A Lei 2.731, de 17.02.1956, alterou o nome do Território para Rondônia, em homenagem ao Marechal Cândido Rondon. Já a Lei Complementar 41, de 22.12.1981, elevou o Território ao “status” de Estado. Com isso, temos que os campeões de 1945 a 1955 foram campeões do Território de Guaporé, os de 1956 a 1981 foram campeões do Território Federal de Rondônia e os de 1982 em diante, do Estado de Rondônia. Destaque, então, para o Ferroviário AC: fundado no Estado do Amazonas, campeão do Guaporé, do Território e do Estado de Rondônia.

Roraima

O Território Federal do Rio Branco foi criado em 01.10.1943, pelo Decreto-lei 5.812, de 13.09.1943, por desmembramento do Estado do Amazonas. Não há notícias de prática do futebol antes do desmembramento. De qualquer modo, com certeza, nenhum clube local eventualmente pré-existente no local foi campeão amazonense, pois os campeões amazonenses eram todos de Manaus: Manaos Athletic, Nacional, Rio Negro, Cruzeiro do Sul, Manaos Sporting e União Sportiva Portuguesa.

Depois, a Lei 4.182, de 13.12.1962, alterou o nome do Território para Roraima. Embora houvesse clubes anteriores à mudança de nome, como o Atlético Roraima Clube (de 1944), o Baré EC (de 1946) e o Atlético Progresso Clube (de 1959), não há registro de eventuais campeonatos anteriores ao de 1974, apesar de a Federação Roraimense de Futebol ter sido fundada em 23.07.1948, com o nome de Federação Riobranquense de Desportos.

A partir de 01.01.1991, no lugar do Território foi instalado o Estado de Roraima, pelo art. 14 do ADCT da Constituição da República Federativa do Brasil, de 05.10.1988. Com isso, temos que Roraima, São Raimundo, River e Baré foram campões do Território e também do Estado do Roraima.

Tocantins

O Estado do Tocantins foi criado, por desmembramento do Estado de Goiás, pelo art. 13 do ADCT da Constituição da República Federativa do Brasil, de 05.10.1988, e foi instalado em 01.01.1989.

Alguns clubes foram fundados antes da implantação do Estado, p.ex.: o Intercap EC, de Paraíso, em 1972; o Kaburé EC, de Colinas, em 1985, o Clube dos XXX, de Araguaína, em 1987; e o Gurupi EC, de Gurupi, em 1988.

A Federação Tocantinense de Futebol foi fundada em 07.04.1990 e só em 1993 foi disputado o primeiro campeonato estadual.

Nenhum campeão tocantinense foi antes campeão goiano. Aliás, antes da implantação do Estado do Tocantins, só 2 campeões goianos foram times do interior: Anápolis FC, de Anápolis, em 1965; e CRAC, de Catalão, em 1967. Sendo que Anápolis e Catalão continuam em território goiano.

Alteração dos limites do Estado

Há vários casos de alteração dos limites entre os Estados e Territórios do Brasil. P.ex., os limites dos Territórios Federais criados pelo Decreto-lei 5.812, de 13.09.1943, foram em seguida alterados pelo Decreto-lei 6.550, de 31.05.1944.

Além disso, há casos de litigíos entre Estados que disputam ou disputaram regiões de fronteira – e que, portanto, renderam ou ainda podem alterações de limites. P.ex., entre Acre e Amazonas, Acre e Rondônia, Piauí e Tocantins, Ceará e Piauí, Espírito Santo e Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia.

De qualquer modo, em todos esses casos, as regiões disputadas são (eram) distantes dos grandes centros, de sorte que a chance de uma dessas alterações de limites definir a mudança de Estado de um time já campeão no anterior é extremamente remota.

Alteração da sede do clube para outro Estado

Há casos de clubes que mudaram de cidade. P.ex., AA Central Brasileira, de Cotia para Espírito Santo do Pinhal; e Estrela EC, de Itu para Porto Feliz e depois para Vinhedo; a SE Matsubara, de Cambará para Londrina e de volta para a cidade natal. Salvo engano, o exemplo mais antigo é o do SC Americano, fundado em Santos em 1903 e transferido para São Paulo em 1908, e o mais recente é do Grêmio que se mudou de Barueri para Presidente Pudente. Desconheço, porém, caso de algum clube que tenha alterado a sede para outro Estado.

De qualquer modo, entre os campeões estaduais não há, até o momento, nenhum caso de campeão em dois estados em virtude de mudança da sede do clube.

Opção do clube por participar do campeonato do outro estado

O Rio Cricket & Athletic Association, de Niterói, disputou o campeonato carioca de 1906 a 1915. O Canto do Rio FC, também de Niterói, disputou o campeonato carioca de 1941 a 1964. Só que eles não foram campeões nem cariocas, nem fluminenses.

Na década de 90, numa das inúmeras crises pelas quais passou o futebol carioca, com os eternos conflitos entre os grandes clubes e a Federação, Flamengo e Fluminense chegaram a ameaçar disputar o campeonato mineiro e, com isso, esvaziar o campeonato carioca. Provavelmente mandariam os jogos em Juiz de Fora... Mas a idéia ficou só na ameaça, no cabo-de-guerra que disputavam com o presidente da Federação e os clubes menores. Se fosse concretizada e, eventualmente, conquistassem o campeonato mineiro, seriam campeões em dois Estados.

No Distrito Federal, é até corriqueira a participação de times de outros Estados. Basta lembrar que do campeonato distrital já participaram, p.ex.: Bosque FC, de Formosa (GO); AA Luziânia, de Luziânia (GO); Planaltina EC, de Planaltina (GO); e SE Unaí Itapuã, de Unaí (MG). Nenhum deles, porém, foi campeão em dois Estados.

Em resumo, vimos que há casos de clubes que foram campeões de unidades políticas que mudaram de nome ou de status jurídico. P.ex., o Ferroviário de Porto Velho, campeão do Território de Guaporé, do Território de Rondônia e do Estado de Rondônia. No entanto, a unidade política foi, a rigor, sempre a mesma.

Nesse sentido, de todas essas hipóteses exaustivamente analisadas, os únicos clubes que conseguiram a façanha de se sagrar campeões em dois Estados foram o Operário e o Comercial, ambos de Campo Grande, campeões pelo Mato Grosso e pelo Mato Grosso do Sul.


Página adicionada em 19 de setembro de 2010.
Fontes de pesquisas do autor Laércio Becker (Email: laerciobecker(at)hotmail.com), com autorização para o www.campeoesdofutebol.com.br.

 

Pesquisa personalizada

Shopping Campeões do Futebol

Ir ao Topo